Feira Future Print faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

O bê-a-bá da confecção

Confecção de roupas
“Quando muitos enxergam uma peça na vitrine, pouquíssimos imaginam a história que vem por trás de cada peça.” Confira na coluna de Eduardo Cristian todos os passos da confecção de roupas, da ideia ao produto final!

Como já comentei em outras ocasiões, o setor de confecção é um dos que mais crescem no nosso país, mesmo em um cenário tão desafiador como o que estamos vivendo. A confecção contribui significantemente para a economia nacional — inclusive, ainda nos dias atuais, uma confecção de roupas de pequeno porte pode ser um bom negócio.  

Costurar, viver de produção, acompanhar as tendências, ter um lead time eficiente, coordenar a produção com vendas… Ufa! Ser confeccionista é viver em uma montanha russa de emoções, sempre munidos de habilidades que exigem muita técnica, atenção aos detalhes e, claro, bom senso. 

Quando muitos enxergam uma peça na vitrine, pouquíssimos imaginam a história que vem por trás de cada peça. Por isso resolvi trazer um texto para você, confeccionista, refletir o quanto de esforço e atenção vale seu produto. E claro, para quem não é do nosso ramo, sinta-se à vontade para mergulhar em nossa vida e conhecer um pouco mais sobre os detalhes de uma confecção de roupa! 

Primeiramente, começamos com algo muito subjetivo. São pesquisas de tendência de moda, ideias, sonhos, e muita observação. O dono de confecção, em conjunto com sua equipe de estilo, deve ficar antenado ao mercado de maneira full-time, para que nenhuma tendência aplicável ao seu DNA passe despercebido. 

Após a parte subjetiva, começamos com o famoso "pôr a mão na massa”, ou seja, tiramos de nossa mente e colocamos finalmente no papel! Chegamos à etapa do desenho do(a) estilista, que nada mais é que o esboço à mão de como será a roupa. Esse esboço é chamado de croqui, que é uma palavra que vem do francês (croquis) e que quer dizer, ao pé da letra, “esboço”.  

Por ser um esboço, são traços simples, porém esse desenho é essencial para o pontapé, pois é a partir do desenho que se sabe o que e como se vai costurar quando colocado em detalhes em nossa ficha técnica.

Profissional desenhando croquis de roupas

Com base no desenho, são feitos moldes das partes da roupa a ser confeccionada — por exemplo, da manga, colarinho, cós, perna, bolso etc. É por meio desses moldes que o corte do tecido será feito. Por isso é um trabalho minucioso executado pelos modelistas. Esse trabalho pode também ser terceirizado, dependendo da maneira e porte da confecção.  

Após a execução do molde, chegamos à parte do corte. Esta é a etapa na qual o tecido começa a tomar forma utilizando os moldes. É necessário recortar o pano em diferentes partes, as quais serão emendadas posteriormente na montagem, onde cada corte obtido deverá ser costurado um no outro dando uma forma mais tangível da roupa.  

Dependendo do tipo de produto, esse processo pode ser mais desafiador, pois pode envolver muitas máquinas de costura diferentes. A peça costurada deve ser enviada para os devidos procedimentos finais de uma roupa, como colocação dos botões e zíper, acabamento, bainha e outros detalhes importantes.  

Produto pronto? Chegamos à hora da prova! Este é o momento no qual a modelo veste a roupa para que seja ajustada se for necessário. É neste momento que teremos o que chamamos de peça piloto, ou seja, após os ajustes teremos o modelo para a fabricação das demais peças. Por isso é essencial que, se houver ajustes, estes devem ficar especificados na peça piloto e descrita na ficha técnica! 

Se você já passou por algum treinamento comigo sabe, pois eu sempre aconselho a todos que passaram por treinamento a enviar a peça piloto para as oficinas de costura. Muitas confecções enviam a ficha técnica sem a peça piloto, e confesso que já fiz isso.  

Enviar a peça piloto com ou sem a ficha técnica, mas com todas as especificações corretas para seguirem à risca, é um ato muito simples e que pode diminuir enormemente sua taxa de erros de produção, economizando tempo e dinheiro ao deixar seu lead time muito mais assertivo. São pequenos detalhes que fazem uma diferença enorme no final. 

Se você gostou dessa dica, sugiro fortemente a você entrar em contato com minha equipe e conferir nossa agenda de treinamento específico para confeccionista

Forte abraço e até breve!
 

Eduardo Cristian é criador e CEO da Costurando Sucesso, empresa que capacita empresários do setor têxtil para a atuação no ramo da confecção. Instagram: @eduardocristianoriginal / @costurandosucesso

Quer se atualizar ainda mais no setor têxtil? Confira nosso material exclusivo com dicas para implantar um sistema de impressão digital na estamparia!

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar