Colunistas, Gestão

Vinil autoadesivo: detalhes que fazem a diferença antes da aplicação

Neste artigo, vamos abordar um assunto muito importante para nos atentarmos antes da instalação do vinil autoadesivo.

Qual o tipo de vinil que iremos utilizar?, Quais as suas características?, Qual é a sua qualidade? Essas perguntas devem ser realizadas e respondidas antes de iniciarmos nosso processo da confecção da imagem.

“Qual é o desejo do cliente?” Em outras palavras: no que consiste o projeto do cliente, em termos de performance do projeto? Essa informação é de extrema relevância para decidirmos qual vinil a ser utilizado. Detalhando um pouco mais sobre as informações necessárias, podemos citar:

a) Durabilidade: quanto tempo a imagem ficará instalada?

Todo projeto tem um início e um fim. Dependendo do tempo que demora a chegar ao fim, os vinis são diferentes. Eles requerem resistência suficiente para atender a essa necessidade.

b) Exposição: onde será estalada a imagem?

O tipo de exposição, também, interfere no tipo de vinil a ser utilizado. Pode ser:

a) externa: exposto às intempéries naturais (sol e chuva). Esses elementos “atacam” o vinil autoadesivo, degradando-o. Por isso, é necessário o uso de matérias-primas específicas e mais resistentes.

b) interna: protegido das intempéries naturais. Neste caso, a degradação é muito menor, pois os agentes que aceleram a degradação do vinil autoadesivo estão ausentes.

c) Qualidade: qual é o público dessa imagem?

A imagem será exposta para um público que ficará perto ou distante? Ela estará em movimento ou estacionada? Essas variáveis serão decisivas para se determinar a definição da imagem do projeto. Uma imagem num banner necessita de qualidade de impressão muito mais rigorosa do que a exposta numa “empena” ou num “outdoor”. O público para a primeira situação estará muito mais próximo que a segunda. E isso exige mais definição e qualidade da imagem. Já uma imagem colocada em uma motocicleta requer definições muito mais altas do que a colocada na lateral de um caminhão. O cliente estará muito próximo à imagem da moto do que o público que estará vendo a imagem no caminhão “em movimento”. Muitos vinis autoadesivos não atendem às necessidades específicas de definição das imagens. Dessa forma, também, torna-se necessário saber a qualidade da impressão para definir-se o tipo de vinil a ser usado.

d) Superfície: qual substrato será utilizado no projeto?

Como já vimos no primeiro artigo dessa série, diversos tipos de superfícies existem, e cada um requer um tipo de vinil autoadesivo específico.

e) Quantidade: qual é o tamanho do projeto?

Dependendo da quantidade de imagens que o projeto necessita, os processos de impressão serão diferentes. Essa decisão é tomada a fim de minimizar custos. Processos de impressão como a serigrafia, offset, digital, etc. irão necessitar de diferentes tipos de vinis autoadesivos.

f) Imagem: qual é o tipo de imagem do projeto?

Se a imagem não for impressa, usualmente utilizam-se os vinis autoadesivos coloridos, que serão recortados pelo processo de corte eletrônico. Há vinis de cores sólidas, metálicas e perolizadas. Os dois últimos não são de fácil “moldagem” nas superfícies com curvas compostas e/ou baixos relevos.

Como podemos ver, há informações importantíssimas que precisamos ter para iniciar um projeto e definir qual vinil será utilizado.

Parece ser apenas detalhes, porém, eles são decisivos para o atingimento do sucesso do projeto. Infelizmente, o que mais se vê no mercado é a “generalização” por um determinado tipo de vinil autoadesivo para atender os mais diversos tipos diferentes de projetos. Muitos dos resultados são insatisfatórios. E a causa pode vir da escolha errada do vinil autoadesivo.

No próximo projeto, pense nisso e você estará contribuindo para atingimento do sucesso desejado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *