Feira Future Print faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Sitemap


Articles from 2020 In August


Como sustentar sua marca em meio às mudanças do Mercado?

popai 27 agosto 2020.jpg

By DIA COMUNICAÇÃO

O ano de 2020 já está marcado na história como um período que abalou a dinâmica da economia global e dos ambientes de negócios. 

Sem muito espaço para crescer, esse é um momento em que as marcas precisam se voltar a si próprias e reavaliarem suas estratégias de posicionamento no mercado. 

Neste artigo, vamos dar algumas dicas de Branding para fortalecer, aumentar a competitividade e sustentar uma marca em tempos de alta instabilidade econômica e social. 

Porque o posicionamento da marca importa 

Antes das dicas, vamos compreender o que pensam os consumidores neste cenário de crise. Vale um spoiler: mais do que nunca, agora os consumidores querem saber o que as marcas fazem pela sociedade. 

Veja o que diz o relatório “Confiança na Marca 2020”, recorte da pesquisa anual Trust Barometer da agência Edelman, realizada entre 27 de maio e 5 de junho, com 22 mil entrevistados em 11 países, incluindo o Brasil: 

  • 93% disseram que esperam que as marcas protejam o bem-estar e a segurança financeira de seus colaboradores e fornecedores.
  • 43% acreditam que as marcas terão um grande impacto na velocidade da recuperação econômica.
  • 48% acreditam que atualmente as marcas estão mais envolvidas nas principais questões sociais.
  • 61% dos consumidores respeitam e valorizam quando as marcas comunicam ações solidárias que estão tomando durante a pandemia.

Entre os brasileiros consultados, especificamente, os resultados da pesquisa foram: 

  • 69% ainda consideram o preço na hora de comprar uma nova marca.
  • 58% disseram considerar a reputação da marca na tomada de decisão de compra. 
  • 52% disseram que começaram a usar produtos de uma marca por conta da inovação ou de ações solidárias da empresa diante da pandemia (índice maior do que a média global, de 44%)
  • 41% disseram ter convencido outras pessoas a parar de usar uma determinada marca por conta de sua resposta ao momento.
  • 37% disseram analisar como a marca reagiu frente à pandemia antes de comprar. 

Como a pesquisa demonstrou, no Brasil preço ainda é fator decisivo para maioria dos consumidores, mas é crescente a importância que vem sendo dada ao posicionamento da marca no mercado perante os seus stakeholders.  

A saída para fortalecer uma marca neste cenário é o investimento em Brand Management, o famoso Branding.   

Branding: os valores intangíveis de uma marca  

De acordo com o autor do livro “Marcas – Brand Equity”, David A. Aaker, Branding é o conjunto de ativos e passivos ligados a uma marca, seu nome e seu símbolo, que se somam ou subtraem do valor proporcionado por um produto ou serviço para uma empresa e/ou para os consumidores dela.

Em linhas gerais, o principal objetivo do Branding é comunicar ao consumidor quais são os atributos de uma marca que geram diferenciação de valor entre ela e a concorrência. 

Marcas bem geridas usam o Marketing para construir reputação, confiança e credibilidade e valores intangíveis, portanto ganham desataque no mercado e ganham a preferência do público.

Veja a seguir 3 dicas de como trabalhar o Branding de uma marca em meio a esse cenário de mudanças no mercado. 

1-Pense: e se sua marca fosse uma pessoa? 

Para se trabalhar o Branding, inicialmente é preciso enxergar a marca como se ela fosse uma pessoa com uma identidade própria e norteada por um conjunto de valores e crenças. 

Como seria sua personalidade? O que ela pensaria e como se comunicaria? 

Exercitar a da personalização de uma marca é o ponto de partida para o segundo passo: a construção uma posposta de valor. 

2-Construa uma proposta de valor. 

De bate e pronto, vamos à pergunta fatídica: o que sua marca pretende, além de vender e gerar lucro?

Oferecer bem-estar aos seus consumidores? Inspirar pessoas? Reduzir impactos ambientais? Colaborar para uma sociedade mais justa e igualitária? Promover saúde ou segurança para seus clientes? 

Dos propósitos mais modestos aos mais nobres, certamente há pelo menos que combina com a essência da sua marca. 

O importante é ter muito claro qual ou quais são esses propósitos para que a comunicação da proposta de valor à sociedade seja verossímil e transparente. 

3-Comunique o propósito de sua marca. 

Sabendo exatamente quem sua marca é e o que ela pretende (além de gerar lucro), você terá uma base sólida para trabalhar estratégias de Comunicação e Marketing para aumentar sua reputação perante o público em momentos difíceis, como o atual. 

Em situações atípicas e de grande impacto social, como a crise do Covid-19, é importante que a marca adote uma postura empática para se posicionar nos diversos canais de comunicação. 

Seja na internet, nos PDVs ou em outros canais de mídia, esse é um momento ideal para direcionar a comunicação para que as pessoas entendam claramente que podem confiar e contar com sua marca nos momentos difíceis. 

A construção de uma proposta de valor é uma tarefa diária e permanente, que não se alcança da noite para o dia. Mas os resultados dessa jornada são infalíveis. 

Comece hoje mesmo. 

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro da Feira Futureprint lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo webinars, whitepapers e muito mais.

5 formas de tornar sua marca relevante no mercado pós pandemia

5 formas de tornar sua marca relevante no mercado pós pandemia.jpg

Com a abertura do comércio chinês e o gradual retorno das atividades na Europa, muito se debate sobre o consumo pós pandemia. Quais serão as prioridades dos consumidores ao escolherem uma marca em detrimento de outra? Como estruturar uma comunicação com esse “novo” consumidor de forma eficaz em tão pouco tempo?

Inicialmente, a certeza que se tem do cenário pós pandemia é que, junto dela, o mundo irá se deparar com uma recessão econômica. Em momentos de recessão, é preciso criatividade para manter sua relevância ante aos concorrentes de modo a minimizar, de alguma forma, as perdas trazidas pela pandemia.

A maneira como o consumo irá retornar depois do Covid-19 ainda é assunto de grandes especulações. Enquanto na China, a Hermès obteve faturamento histórico de uma única loja no primeiro dia de abertura do comércio e na Europa filas e mais filas de pessoas esperavam a abertura da Zara, alguns especialistas defendem que o consumidor sairá da pandemia com prioridades diferentes – que vão refletir diretamente na escolha de produtos e serviços.

Particularmente, entendemos que o consumo será diferente em um cenário pós pandemia. Ainda que inicialmente verificou-se uma aglomeração de consumidores buscando comprar, acreditamos que, em um médio-longo prazo, os efeitos da quarentena vão se refletir nos hábitos de consumo e, por isso, as marcas precisam estar preparadas.

A pandemia trouxe para as empresas o desafio de se reinventar para se conectar com o novo consumidor. A velha comunicação não faz mais sentido. Hoje, é preciso fazer mais e, principalmente, é preciso ser mais para se conectar com quem são seus consumidores. Para isso, em primeiro lugar, é importante voltar os olhos para dentro em uma jornada de autoconhecimento para que, então, seja possível exteriorizar ao público-alvo características de marca que, até então, estavam em segundo plano. O grande desafio das marcas agora é se manter relevante.

Nesse sentido, relevância é a palavra-chave para o sucesso no novo mercado, no qual características técnicas não são mais decisivas no momento da compra e atributos emocionais relacionados ao discurso da marca passam a se tornar grandes diferenciais de mercado. Diante disso, listamos abaixo 5 formas de tornar sua marca mais relevante, gerando engajamento do novo consumidor e convertendo comunicação em vendas de forma eficaz.

  1. É PRECISO TER UM PROPÓSITO

Propósito é a mensagem que a marca pretende passar para o mundo. Geralmente associação a algo maior, um legado. Uma marca com propósito bem definido além de estimular o engajamento dos colaboradores, certamente se conecta de forma mais intensa com os consumidores que compartilham da mesma mensagem. Propósito é aquilo que a marca entrega para o mundo, a contribuição que faz a sociedade.

Em um cenário pós pandemia, o senso de coletividade estará mais aflorado e, por isso, marcas com um propósito bem definido conseguem se destacar por entregarem algo além de produtos com objetivo único de lucro. Consumidores se conectam à propósitos que acreditam e isso se torna decisivo diante da escolha entre produtos com as mesmas características técnicas. Você já parou para pensar qual é o propósito da sua empresa e da sua marca?

  1. É PRECISO SER ENGAJADO

Em sintonia com a ideia de propósito, os consumidores esperam que as marcas tenham uma postura mais proativa. Agora é o momento de se engajar, defender causas e levantar bandeiras. É preciso assumir um lugar no mundo e se manter firme naquilo que acredita, por isso, compartilhe crenças, causas e conecte-se com seus consumidores por atributos emocionais.

As marcas estão se tornando cada vez mais organismos vivos e, portanto, a comunicação está agora focada em atributos emocionais, que se conectam mais facilmente com os consumidores. A construção do storytelling deve ser voltada à compartilhar crenças e, a mensagem da marca, deixa de ser focada no produto, e passa a refletir as crenças e a conectar através de características subjetivas como empatia, sororidade, rebeldia. Chegou o momento de construir a personalidade da marca. É importante se posicionar de forma coerente com aquilo que a marca representa.

  1. É PRECISO SER DIGITAL

O digital não irá assumir de vez o lugar o mercado físico, porém, a presença digital é imprescindível nos dias de hoje. Negócios já estruturados no mundo digital tiveram menores perdas e se mostraram mais preparados para enfrentar momentos de extrema mudança.

O mundo já é digital e, por isso, é importante dedicar um tempo para estruturar processos e criar uma modelagem de experiência do consumidor também no mundo digital que reflita todos os atributos de marca experienciados pelo consumidor nos pontos de contato físicos.

Ser digital faz com que seu negócio também se torne global e, com isso, rompe fronteiras e permite que inúmeros consumidores conheçam sua marca. Deve ser prioridade na agenda!

  1. É PRECISO INOVAR

Inovação já é pauta há bastante tempo, mas poucos são aqueles que, de fato, possuem a inovação em seu DNA e como parte do processo de gestão.

A adoção de um modelo colaborativo em um ambiente diverso é um grande diferencial para, através de um processo criativo, redefinir processos antigos, estabelecendo rotinas mais eficazes.

A dica é reunir colaboradores de diferentes setores, utilizar ferramentas de brainstorming e design thinking para repensar estruturas antigas, reduzir burocracia e eliminar dores do usuário durante sua jornada. Um processo colaborativo, além de aumentar o sentimento de orgulho por fazer parte e contribuir com o time, o volume de novas ideias será surpreendente.

Ambientes diversos são mais favoráveis à inovação, portanto, estabelecer uma cultura corporativa focada na diversidade é imprescindível! Vale escutar todos os colaboradores e fomentar uma proatividade em pensar novas estratégias. Senso de dono nunca foi tão importante.

  1. É PRECISO PROTEGER SEUS ATIVOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

Todo esforço para criar uma marca relevante no mercado pós pandemia deve ser sempre combinado com a conscientização da importância da proteção dos ativos de propriedade intelectual. Relevância gera destaque no mercado e, com isso, imitações e reproduções não autorizadas aparecem.

Por isso, a cada desenvolvimento de marca e produto, cabe a reflexão sobre a registrabilidade da marca e sobre a proteção do design ou da tecnologia aplicados ao produto. A proteção dos ativos de propriedade intelectual cria um ambiente seguro para a inovação e a conexão com consumidores, afinal, uma marca só é de fato relevante se ela preserva sua individualidade ante aos seus concorrentes e para com seus consumidores.

Como pôde ser observado, inúmeros são os desafios propostos pela nova forma de consumo do mercado pós pandemia e, portanto, é preciso criar novas estruturas para se destacar nesse mercado cada vez mais competitivo e no qual o foco de atenção está voltado agora para aspectos mais comportamentais/emocionais do que atributos técnicos.  

Momentos de crise são também oportunidades de renascimento. Já parou para pensar o que faz da sua marca relevante? Se não, o momento é agora, não deixe passar essa oportunidade de angariar mais consumidores e se destacar no novo mercado.

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro da Feira Futureprint lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo webinars, whitepapers e muito mais.

Covid-19 Orientações para a Indústria Gráfica

Covid-19 Orientações para a Indústria Gráfica.jpg

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro da Feira Futureprint lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo webinars, whitepapers e muito mais.

Cuidado! Excesso de informação pode prejudicar mais que a falta dela!

Cuidado! Excesso de informação pode prejudicar mais que a falta dela!.jpg

Com a pandemia e o movimento #FiqueEmCasa, o mundo descobriu o que é uma Live! (Não que você faça parte desse grupo de pessoas)

Esse movimento e essa descoberta, abriu caminho para uma enxurrada de pessoas, especialistas, professores, consultores, coachs, e absolutamente todo tipo de gente, compartilhando “conhecimento”.

A princípio, isso parece bom, a questão preocupante, são as fontes das informações. A base e o resultado que a informação gera na prática.

Pois de um lado, fulano diz:  “Não faça coleção”!

Já do outro, ouve-se: "A cor da moda, será azul".

Na live seguinte, escuta-se: "A moda não terá uma cor definida!"

Um dizendo de um lado, a partir de agora vendas serão apenas on-line, já o outro, as vendas físicas irão crescer!

E por aí vai. E você assistindo tudo isso e se perguntando, vou para direita ou para esquerda?

Existe apenas uma coisa certa e uma única verdade em tudo isso...

Você é o único que conhece sua vida e o único que pode muda-la!

Escutar opiniões alheias, é bom, pode auxiliar em momentos, nos inspirar, fazer brotar insigths.

Mas nada substitui os velhos ensinamentos dos meus avós: "Deus ajuda, quem cedo madruga. Arregaça as mangas e vai trabalhar!"

 

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro da Feira Futureprint lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo webinars, whitepapers e muito mais.

Quais os erros mais comuns na hora de conseguir empréstimo?

Quais os erros mais comuns na hora de conseguir empréstimo .jpg

Um erro bastante simples é não ter claro o motivo do empréstimo: "acho que preciso de R$ 20 mil", "acredito que esse valor cubra três meses". "Achismos" como esses podem transmitir a imagem de que o empresário não está bem preparado para tomar o empréstimo. Portanto, para evitar esse erro, planejamento é fundamental.

Outro descuido diz respeito aos cuidados adicionais - por exemplo, em alguns casos, restrições de sócios ou cônjuges em instituições como SPC podem dificultar o acesso ao crédito.

Ainda, a falta ou a desatualização de demonstrativos financeiros também pode inviabilizar o acesso ao empréstimo.

Como identificar o melhor empréstimo?

Na hora de escolher o empréstimo mais adequado, novamente, ter muito claro o destino do valor é crucial. Por exemplo, se a necessidade for de capital de giro, há linhas de empréstimo exclusivas para essa demanda. Assim, você já pode procurar a solução precisa e evitar perda de tempo e pedidos negados. Além disso, tende a fazer uma melhor negociação.

Outra iniciativa que pode ajudar nessa definição é fazer simulações. Além das disponíveis nos sites/aplicativos das instituições, há também a Calculadora do Cidadão, desenvolvida pelo Banco Central, que é muito útil nessa hora.

Nas simulações, leve em conta todos os custos da operação - lembre-se de que algumas instituições embutem taxas administrativas e outras nesse tipo de serviço.

Outra opção são os programas de concessão de crédito. Há, por exemplo, o Programa Emergencial de Acesso a Crédito (PEAC), iniciativa para ajudar pequenas e médias empresas a lidarem com os impactos financeiros do novo coronavírus. Ele apresenta vantagens, como dispensa do IOF e das certidões.

Para se preparar para conseguir empréstimo, confira também dicas sobre o que fazer para conseguir crédito para o seu negócio.

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro da Feira Futureprint lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo webinars, whitepapers e muito mais.

Siga esses cinco passos para conseguir empréstimo

Siga esses seis passos para conseguir empréstimo.jpg

Em momentos desafiadores, como o atual, causado pela pandemia de COVID-19, as empresas precisam ser resilientes, criativas e ainda mais eficientes para lidar com a crise. Entre as opções para ajudar a suprir demandas financeiras mais emergenciais, o empréstimo é uma das soluções encontradas por pequenos e médios empresários.

“O empréstimo, quando bem-feito, possibilita o crescimento da empresa, o aproveitamento de oportunidades e o fomento à inovação”, lembra Felipe dos Anjos Chiconato, consultor do Sebrae-SP.

Essa é uma saída possível, também, para minimizar os impactos da crise nos negócios, sanar dívidas, ter capital de giro para manter as operações, entre outras coisas. O empréstimo é um dos caminhos mais trilhados para essa finalidade: de acordo com pesquisa do Sebrae e da FGV, mais de um terço dos pequenos negócios do Brasil já tentaram obter crédito neste período de pandemia.

No entanto, é preciso ter alguns cuidados antes de solicitar empréstimo. A seguir, saiba mais sobre boas e más práticas na hora de buscar esse suporte financeiro.

Quais os passos para conseguir empréstimo?

Os procedimentos podem variar conforme a instituição concedente. No entanto, há algumas recomendações comuns para obter empréstimo, tais como:

1. Faça levantamento da situação financeira e defina o objetivo do empréstimo

Primeiramente, é preciso "arrumar a casa": buscar formas de reduzir custos, controlar gastos e eliminar o que não está agregando valor. É importante verificar qual seu saldo atual e qual é a previsão de entradas e projeção de saídas do fluxo de caixa.

A partir disso, será possível dimensionar corretamente a necessidade de empréstimo para não correr risco de solicitar um valor abaixo (que não irá resolver o problema e poderá levar a um novo empréstimo) ou acima das necessidades (que pode ser responsável por um endividamento maior do que o suportado pelo negócio).

Alinhado a isso, é fundamental que o empresário tenha bastante clara qual será a destinação do valor. O que sua empresa precisa para superar a crise: investir em uma nova máquina? Apoio para adquirir matéria-prima? Aporte para uma reforma estrutural?

"É preciso definir o objetivo do empréstimo. Ele pode ser destinado à compra de equipamentos, maquinários, expansão, inovação, pesquisa e desenvolvimento, para a compra de estoque, matéria-prima, pagamento de dívidas e para atender os compromissos do dia a dia da empresa”, exemplifica Chiconato.

2. Faça/atualize seu plano de negócios

Depois dessas definições preliminares, outra ação recomendada é desenvolver ou atualizar o plano de negócios, de modo que ele demonstre como seu projeto é financeiramente viável. Isso pode ser fundamental para obter uma resposta positiva das instituições financeiras - inclusive, alguns bancos solicitam que esse estudo de viabilidade seja feito com o uso de uma ferramenta própria da instituição. Portanto, já ter as informações organizadas e atualizadas tornará tudo mais fácil.

3. Organize sua documentação

Ter os orçamentos dos itens para os quais o valor do empréstimo será destinado também pode ajudar na negociação. Além disso, na medida do possível, é importante se antecipar e já ter alguns documentos de praxe organizados, tais como:

  • Contrato social e suas alterações;
  • Cartão atualizado do seu CNPJ;
  • Inscrições municipal e estadual (se for aplicável);
  • Licença e certidão de órgãos reguladores (se for o caso);
  • Relatório de faturamento do último ano;
  • Balanço patrimonial;
  • Declaração de imposto de renda de todos os sócios;
  • Demonstração de resultados de exercício (DRE).

4. Avaliar as opções de empréstimo do banco no qual já é cliente

Pode ser mais simples obter empréstimo no banco com o qual sua empresa já tem relacionamento. Nesse caso, seu gerente pode ajudá-lo a encontrar a melhor opção para atender suas necessidades financeiras.

No entanto, é preciso avaliar se, de fato, a opção apresentada é atrativa para você. Nessa hora, é importante considerar questões, como prazo de carência e do empréstimo, juros, limite do empréstimo, entre outras condições.

“Deve-se levar em conta o custo real desse empréstimo e as condições de pagamento. Também é preciso ter cuidado com a venda casada de produtos, como condições de garantia de liberação de valor, produtos esses que o seu negócio pode não precisar", recomenda o consultor do Sebrae-SP.

Se, nessa verificação, você perceber que o banco não tem um produto que atenda às suas demandas, munido dessas informações, procure outra instituição para solicitar seu empréstimo.

5. Verifique suas garantias

As instituições que concedem empréstimo buscam minimizar riscos. Por isso, as garantias podem ser fundamentais para obter uma resposta positiva e demonstrar capacidade de pagamento.

Assim, antes de fazer a solicitação, avalie se você tem bens que possam servir de garantia. As instituições geralmente trabalham com as opções de alienação fiduciária, hipoteca, aval dos sócios ou terceiros, ou fundo de aval.

Quanto a esse aspecto, há instituições, como o Sebrae, que disponibilizam um fundo de aval para pequenas empresas, e que pode complementar as garantias a serem oferecidas. Esse fundo pode ser solicitado diretamente nos bancos parceiros.

Para uma ideia inicial, veja algumas opções disponíveis para pequenas e médias empresas:

BNDES Microcrédito - Empreendedor: financiamentos de até R$ 20 mil a microempreendedores. Taxa de juros negociada entre o agente operador e o cliente, entretanto, tendo o teto de 4% ao mês, já com encargos.

Caixa - Empreendedor Individual: necessário ter conta corrente na Caixa, certidões negativas de débito com o Governo e aprovação da análise de crédito.

Microcrédito Produtivo Orientado Caixa: empréstimo para micro e pequenos empreendedores que querem investir em seu negócio (com a compra de equipamentos, reformas, etc.). Necessário renda ou faturamento máximo de R$ 200 mil ao ano.

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro da Feira Futureprint lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo webinars, whitepapers e muito mais.

Como estampar jaqueta jeans – e criar oportunidade para seu negócio

Como estampar jaqueta jeans – e criar oportunidade para seu negócio.jpg

Dúvida do leitor Italo Gabriel

Estampar jaqueta jeans pode ser uma boa opção para diversificar seus serviços. A peça é um item clássico da moda, de apelo atemporal, e sua personalização, que a torna um produto exclusivo, pode representar um incremento nos lucros do seu negócio.

Hoje, está em alta o garimpo de peças em brechós e a ressignificação de itens do guarda-roupa, evitando seu descarte e assumindo uma postura mais sustentável. A era das mídias sociais e do compartilhamento também alavanca a procura por itens exclusivos para cativar seguidores.

Além disso, especialmente os Millennials e a Geração Z apresentam um desejo por mostrar ao mundo seu estilo pessoal e sua personalidade. E isso representa uma oportunidade para seu negócio criar uma proposta de valor exclusiva para cada cliente - o que permite ter uma margem de lucro maior em seus serviços.

Em consonância, Fábio Tolosa, gerente de produtos da Epson, explica que "existe uma demanda crescente no mercado por produtos personalizados, de maior valor agregado e mais agilidade no desenvolvimento de novas coleções. Com as tecnologias de impressão digital têxtil, conseguimos suprir essa demanda conciliando três fatores primordiais para as indústrias: economia de custos, redução de tempo e aumento de qualidade. Este tipo de tecnologia ajuda a promover a inovação no setor, uma vez que oferece vasta possibilidade de design, imprimindo imagens em alta resolução, em todos os tipos de materiais".

Como escolher a melhor técnica para estampar jaqueta jeans?

No entanto, para começar a estampar jaqueta jeans, é preciso adotar alguns cuidados e conhecer a técnica que se alinhe melhor aos objetivos.

Quanto a esse aspecto, Tolosa afirma que "a melhor técnica para estampar jaqueta jeans depende de vários fatores, porém a mais versátil é a impressão digital direta - chamada de DTG (do inglês, Direct to Garment). Esta técnica permite estampar sob demanda, o que reduz o custo de estoque e possibilita personalização e maior interação do cliente com o que será estampado".

A DTG é uma técnica que permite estampar na jaqueta qualquer imagem, diretamente na peça e sem limite de cores - inclusive, em jeans mais escuros, já que as impressoras DTG podem imprimir tinta branca.

O resultado é uma estampa com imagem em boa definição, qualidade em cor e durável. Ainda, quando se pensa no custo-benefício de produzir peças com estampas diferentes entre si, para pedidos de baixa tiragem, essa técnica pode ser a melhor opção.

É recomendado utilizar uma máquina específica? Por quê?

Para atingir resultados realmente confiáveis, que permitam uma lucratividade maior em razão da alta qualidade do trabalho, é recomendado utilizar equipamentos específicos.

Tolosa explica que existem impressoras que atendem a essa necessidade projetadas exclusivamente para impressão direta em vestuários de algodão, as impressoras SureColor F2100 (já disponível no mercado) e F3070 (comercializada desde agosto de 2020) oferecem um sistema especializado que permite altas velocidades de produção.

Quais principais cuidados tomar para estampar jaqueta jeans?

Além de escolher a melhor técnica e equipamento para estampar jaqueta jeans, também é preciso adotar alguns cuidados para garantir a qualidade do resultado.

O gerente de produtos da Epson explica que "os principais cuidados são os de preparar o tecido corretamente, ajustar a imagem na posição que o cliente deseja e secar a tinta no calor (através de uma estufa ou prensa térmica) para fixação".

Ainda, no caso da impressão digital direta, é preciso controlar a umidade do ambiente, sendo recomendada que essa fique entre 45% e 70% para não afetar a qualidade do trabalho.

Para saber mais sobre o método DTG, confira o material que preparamos sobre estamparia digital DTG x estamparia serigráfica.

 

 

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro da Feira Futureprint lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo webinars, whitepapers e muito mais.

Tudo que fazemos faz a diferença, escolha qual diferença você fará

A estamparia digital DTG vai eliminar a estamparia serigráfica de camisetas.jpg

Tempo do menos é mais. Estamos evoluindo para uma era de mais juízo com o que compramos e usamos? Estamos racionalizando melhor nossa frequência na nossa casa planetária? Sustentabilidade, conservação, redesign, reuso são palavras de ordem na atualidade.  Esta é uma força que se firma nos mais diversos setores e cadeias de transformação e fornecimento – agroindústria, construção, infraestrutura e logística.

A maioria das águas do mundo inteiro estão sujas e contaminadas com químicos e resíduos provenientes de nós humanos. Microplásticos estão entrando na cadeia alimentar de todas as formas de vida aquática e terrena, inclusive no nosso cardápio. Quem gosta de mexilhões deve estar consumindo cerca de 11.000 partículas/ano de microplásticos provenientes de roupas, embalagens e outros produtos de poliéster e de outros polímeros sintéticos carreados para as águas, ar e solo. Um quilograma de sal marinho pode conter mais de 600 partículas de microplásticos. Esse é um problema generalizado.

Do total de roupas fabricadas no mundo, mais da metade é descartada, queimada ou despejada em lixões no máximo em dois anos depois de compradas. Mais da metade sobra nas lojas e armazéns sem vender porque os pesquisadores de mercado e estrategistas de mercado erraram na formação do mix das coleções.

Obviamente estudos e movimentos que incentivam comprar menos e usar por muitos anos estão alterando as formas de pensar, formar, comprar e vender materiais e produtos finais. Líderes mundiais do marketplace prenunciam que no máximo em duas décadas o transporte marítimo por containers será drasticamente reduzido e volumes menores terão maior circulação. Considerando que para os dias de hoje, dez anos é quase uma vida, nos próximos cinco anos a estamparia digital com pigmentos deverá crescer exponencialmente, a estrutura e a ecologia da estamparia com corantes Reativos e Ácidos terá sido revista e soluções melhores irão aparecer. Devido a enchente do poliéster sobre as demais fibras têxteis, a sublimação continuará subindo alto, o que irá gerar mais e mais contaminação do ambiente natural com microplásticos.

Tudo Isso gera grandes oportunidades para a impressão digital limpa, principalmente a estamparia de pigmentos em fibras amigas da natureza.

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro da Feira Futureprint lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo webinars, whitepapers e muito mais.

Os 4 pilares por trás de uma empresa rentável

Os 4 pilares por trás de uma empresa rentável.jpg

Todo mundo que empreende quer atingir o sucesso e obter ótimos resultados financeiros, mas quase todas elas enfrentam muitos desafios e não conseguem produzir os tão desejados resultados financeiros.

É comum encontrarmos casos onde as empresas até conseguem atingir um faturamento expressivo ao longo de sua evolução, mas ainda sim não geram receitas líquidas expressivas. Nesses casos, 8 em cada 10 empresas buscam solucionar a falta de liquidez cortando custos a fim de aumentar o ganho final.

Mas nem sempre o caminho para conseguir maximizar os ganhos de uma organização seja através do corte de gastos. Inclusive essa linha de raciocínio acaba, muitas vezes, estagnando o crescimento de uma empresa ou até mesmo sabotando sua evolução promovendo uma crise.

Apesar dessa prática ser comum ela não é a mais assertiva, ainda mais em momentos como esse que estamos vivendo agora, de crise global. Ninguém quer estar em crise, quem dirá estar em crise no meio de uma crise global não é mesmo?

Por isso, melhor que tentar resolver um problema remediando é não ter o problema, simplesmente se preparando para não o ter. Exemplificando, ao invés de uma pessoa ficar tomando remédio para emagrecimento, se ela simplesmente mudar sua rotina, alimentação e prática de exercício físico provavelmente ela já vai obter o resultado desejado, de forma duradoura e sem efeitos colaterais.

Entendeu onde eu quero chegar? A forma como você projeta e estrutura o seu negócio faz toda diferença no seu resultado, pensando nisso eu quero contribuir com você compartilhando os 4 pilares por trás de um portfólio de produtos e serviços altamente rentáveis.

1 - G.U ou ganho unitário: Quanto de lucro líquido você ganha naquele produto ou serviço, ou seja, quanto sobra para a sua empresa. Quanto maior o ganho unitário, maior a receita.

2 - T.E ou taxa de escalabilidade: Quanto aquele produto ou serviço é reproduzível, ou seja, qual é o nível de complexidade de produção. Quanto mais fácil for para aumentar a produtividade, mais rápido será o crescimento do faturamento.

3 - T.R ou taxa de recorrência: Quantas vezes o mesmo cliente compra, ou seja, com qual frequência o mesmo cliente compra daquela empresa. É mais fácil obter o sucesso a partir da fidelização do cliente, do que ficar dependendo só de novos clientes.

4 - T.I ou tempo investido: Quanto tempo é necessário para desenvolver, produzir e vender aquele produto ou serviço, ou seja, quanto mais tempo investido maior o custo do produto ou serviço. É mais rápido focar em atualizar produtos já existentes ou criar produtos complementares, do que ficar sempre criando produto para novos mercados.

Quando tudo está bem, a economia aquecida, o mercado disposto a consumir, tudo é mais fácil e muitos produtos ou serviços acabam se sustentando mesmo sendo abaixo da média. No entanto quando acontece uma crise global como essa que estamos vivendo, tudo que é ordinário fica exposto e fragilizado estando fadado a deixar de existir.

Mas, se esse for o caso do seu negócio não se desespere, pois, toda crise traz consigo uma oportunidade de igual ou maior potencial.

Portanto, aproveite esse momento de grandes mudanças para operar a sua também, busque o conhecimento e suporte adequado e com certeza a sua empresa conseguirá atingir o sucesso desejado!