Feira Future Print faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

shutterstock_253900027.jpg

Otimize e amplie sua produção com máquinas dosadoras

Eliminar processos manuais é um divisor de águas entre ficar estagnado e aumentar e diversificar a produção. Além de evitar desperdícios – o que faz importante diferença no bolso e na saúde financeira da empresa – máquinas dosadoras garantem precisão de volume, produção seriada e a satisfação do consumidor final. Entenda

Empreender não é uma tarefa fácil. Equilibrar receitas e despesas pode se tornar complicado quando os processos não estão bem alinhados. Falando especialmente aos pequenos e médios fabricantes de brindes com resina, para estabilizar-se e crescer, mesmo em meio às turbulências do mercado, é preciso entregar produtos com a melhor qualidade possível.

Nesse sentido, máquinas dosadoras são fortes aliadas para o empreendedor que busca uniformizar seu produto, conter perdas de materiais e aumentar e diversificar seu catálogo.

O tempo de misturar resina e endurecedor em copinhos plásticos e aplicar com uma seringa passou. Hoje, apesar do amplo mercado, os clientes estão cada vez mais exigentes e não há espaço para produtos mal acabados ou com diferenças entre peças que deveriam ser iguais.

Mas, afinal, o que é uma “máquina dosadora”?

Uma máquina dosadora, ou simplesmente um dosador, é um dispositivo que possui dois tanques: um para a resina e outro para o endurecedor. Esses tanques têm bombas dosadoras de onde saem mangueiras que levam os componentes separadamente até um bico – chamado de bico misturador - onde finalmente acontecerá a mistura e a dosagem de uma quantidade “X” de resina em uma determinada peça.

Esse sistema mecânico-pneumático, atrelado a um micro controlador eletrônico (CLP) programável, consegue fazer peças homogêneas, ou seja, sempre com o mesmo volume pré-estabelecido de material – tanto de resina poliuretano (P.U.) ou de resina epóxi, que são amplamente utilizadas no segmento de brindes como chaveiros, medalhas, etiquetas, e até mesmo no mercado automotivo, nos famosos protetores de tanque de motos (ou tank pads) e adesivos decorativos e sinalizadores para automóveis, como os que vão em volantes e rodas com o emblema de cada montadora.

dosador.png

Por que investir em um dosador automático?

Como já mencionamos, não é mais viável para o pequeno e médio produtor de brindes misturar manualmente os componentes da resina. Mas, se você ainda não está convencido, aqui vão alguns dos principais motivos para pensar em aposentar o trabalho manual:

  1. Tempo maior de preparo do material;
  2. Aplicação não-homogênea (cada peça fica com um volume diferente);
  3. Desperdício de resina (que é o insumo mais caro do processo produtivo de etiquetas e de outros brindes resinados);
  4. Baixa produtividade e sujeira.

“Um dosador agiliza o seu negócio com eficiência qualidade, acabando com a perda de tempo”, afirma Eliseu de Sanctis Neto, proprietário da empresa Sanctis Dosadores. Explicamos: um modelo automático é facilmente ajustável para atender às necessidades de cada produto ou cliente, uma vez que a maioria dos softwares implementados nas máquinas comporta mais do que uma programação diferente. “Máquinas são sinônimo de excelência e produtividade”, completa Neto.

Cada um desses programas é previamente configurado no sistema com volume de material e tempo entre uma dosagem e outra – essas duas operações são essenciais para a automatização do trabalho, já que, uma vez estabelecidas as quantidades, o operador só encerra a produção quando terminar de resinar a quantidade de peças estipulada por ele.

Assim, com poucos toques o programa é escolhido e você pode começar a trabalhar. A máquina é quem realiza toda a parte de mistura e dosagem de material. Com esse sistema é possível produzir milhares de peças iguais em um único dia. “Você elimina três ou quatro etapas dentro de um processo manual, que seriam pesagem, mistura, colocar o material na seringa ou na bisnaga e a própria dosagem feita ‘no olho’”, arremata Diego Puertas, gerente de vendas da Sanctis Dosadores. E completa: “O cliente percebe um padrão de qualidade diferente quando o produto é feito com uma máquina. O negócio fica padronizado e mais profissional”.

E você não precisa ter uma produção gigante para começar a usar um dosador. Existem modelos no mercado brasileiro que se adequam ao mesmo tempo a alta e a baixa escala de produção.

Investir em automação é sempre uma boa pedida quando a situação financeira permite, é claro, e quando o objetivo é crescer. Eliminar etapas e garantir precisão nos acabamentos conquista clientes, que ficam satisfeitos quando recebem o produto. Entender suas demandas e analisar o que pede o mercado é fundamental para prosperar.

Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar