Colunistas, Tendências

Fundamentos da impressão digital em tecidos

Para você que está pensando em atuar no mercado ou que já tem um negócio atrelado à impressão digital têxtil, nós temos boas notícias. Trata-se de uma área em franca evolução e com enorme potencial de expansão nos próximos anos.

Um estudo recente da WtiN (World Textile Information Network), consultoria internacional especializada na indústria têxtil, revelou que em 2016 o mundo estampou digitalmente 1,5 bilhão de metros quadrados de tecidos. A mesma pesquisa previu uma taxa de crescimento global anual de 20% do setor entre 2016 e 2020. No entanto, apenas 5% de todos os produtos têxteis estampados no mundo são impressos por meios digitais – o que não é uma má notícia, porque embora a porcentagem seja pequena, ela mostra que há muito potencial a ser explorado.

E por quais motivos a impressão digital têxtil tem números tão auspiciosos? Tem a ver, em grande parte, com os recentes desenvolvimentos oferecidos pelos fornecedores, que passaram a disponibilizar maior variedade de tecidos, tintas mais estáveis e flexíveis e impressoras mais versáteis e produtivas.

A digital também oferece diversas vantagens em relação aos sistemas analógicos, além de ser uma ferramenta que abre possibilidades até então impensadas ou inviáveis. Na outra ponta da cadeia produtiva, estão os clientes finais demandando produtos com qualidade superior e que causem menos impactos ambientais.

Apesar de promissor, estamos falando de um mercado incipiente e muito dinâmico. Mudanças e avanços tecnológicas ocorrem com frequência – e sem o devido acompanhamento, pode-se ficar defasado rapidamente.

Aplicações de tecidos estampados digitalmente

A impressão digital consegue estampar inúmeros tipos de materiais têxteis, a despeito de haver limitações técnicas e produtivas para alguns casos. Abaixo seguem alguns dos principais segmentos e aplicações que atualmente fazem parte do portfólio de produtos oferecidos por empresas de estamparia têxtil digital.

  • Sinalização (soft signage) e comunicação visual: há muitas aplicações tanto para ambientes internos quanto externos. Alguns exemplos são banners, bandeiras, cenários de shows e afins, decoração de vitrines, estandes de feiras de negócios, displays de pdv, instalações em lojas, aeroportos, cinemas e mercados, entre outras. Há também áreas novas a serem exploradas. Um exemplo é a de designs funcionais e mobiliário promocional inflável (sofás, muros e tendas);
  • Decoração: peças para decorar espaços públicos ou privados, como quadros, revestimentos de parede, materiais para janela, cortinas, carpetes, sofás, puffs, entre outros;
  • Vestuário: trata-se de um segmento muito amplo, que agrega tanto a impressão de estampas exclusivas quanto a produção em larga escala de peças de vestuários, para moda e atividades esportivas, em peças abertas ou fechadas. Calçados e acessórios também pode ser estampados digitalmente;
  • Industrial: equipamentos de única passada e alguns modelos de impressoras de grande formato têm sido empregados por indústrias têxteis para estampar em larga escala artigos de vestuário, decoração, mobiliário doméstico, entre outros itens.

Há exemplos de outras indústrias: a automotiva perscruta algumas soluções inkjet para a decoração do interior de veículos. Fabricantes do ramo calçadista também empregam impressoras digitais para a decoração de palmilhas. Trata-se de uma ferramenta que pode se adequar a padrões da Indústria 4.0.

________________________________________________________________________________

Este artigo foi escrito por Luiz Ricardo Emanuelli (Portal InfoSign) a convite do canal de conteúdo da Serigrafia SIGN FutureTEXTIL. 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *