Feira Future Print faz parte da divisão divisionName da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Cores na impressão têxtil serigráfica e digital jato de tinta

Cores na impressão têxtil serigráfica e digital jato de tinta

As retículas Greyscale da Serigrafia tem tamanhos de pontos variáveis para representar as passagens tonais do claro para o escuro, nas quatro zonas da imagem impressa: Altas Luzes (tonalidades de 1 a 25%), Médias Luzes (26% a 50%), Sombras Médias (51 a 75%), Sombras (76% a 100%). Na impressão digital o esquema segue igual, com uma diferença: as cabeças jato de tinta, combinando recursos de softwares (Drivers - Controles eletrônicos carregados na placa mãe) e softwares RIP e Perfis de Cores traduzem os algoritmos matemáticos dos arquivos e dos pixels do monitor para quantidades de tintas CMYK simples ou “CMYK Estendidos (CMYK-n, ou no Photoshop, Cores Indexadas).

Imagine um dosadora eletrônica de pigmentos em uma casa de tintas que prepara cores sob demanda. Impressoras trabalham sob o mesmo princípio, porém, dosando cores em gotas de tamanho nano, medidas em picolitros. Cabeças de impressão de escala de cinzas com ponto variável (Greyscale de até oito tamanhos de ponto) criam a sensação de realidade nas imagens ejetando até 8 tamanhos de nano gotas de tinta. (1 picolitro = 12 microns, ou 1000 nanolitros = 0.000.001 de 1 ml) formam imagens bastante semelhantes ao que vemos na natureza. Se fôssemos fazer uma correspondência de resolução entre uma impressora jato de tinta de hoje com a Serigrafia, teríamos que utilizar uma tela serigráfica de muitos fios, no mínimo 250 fios. Porém, para reproduzir imagens sensacionais na Serigrafia uma tela de 150 fios já está OK, contando que o olho humano percebe padrões de imagem (no caso, retículas) com uma certa limitação ditada pela distância e o tamanho do impresso.

Controle das impressoras digitais e da Serigrafia

A informação que permanece cifrada está carregada e reservada no background de equipamentos e programas, acessórios e consumíveis digitais que usamos. Ao comprador de um equipamento é entregue a interface de usuário e baixo poder de entrada de dados de programação. Isto ocorre na venda de uma impressora digital que é vendida junto com as parcerias reunidas no kit de hardware, software e consumíveis. O princípio do negócio é embarcar em um só sistema um conjunto colaborativo e simbiótico de parceiros que contribuem cada um com sua parte de conhecimento e produtos – mecânica da impressora, cabeças de impressão, tintas, programas, etc... Em resumo, o usuário cumpre rotinas padronizadas e preestabelecidas pelo sistema e seus embarcados.

Particularidades das tintas e cores de impressão Inkjet / Serigrafia

Inkjet - A tinta ejetada é mínima comparada com a Serigrafia

1x1 metro de imagem pode conter 20.000.000.000 de gotas que variam de 12 microns (1 picolitro) a mais de 900 microns (80 picolitros). Isso significa uma média de 12 ml de tinta depositada em uma imagem super cheia.

Estoque de poucas cores de tintas

A imagem e a cor são formadas na superfície do substrato, em tempo real com a impressão e dispensa de cozinhas de tintas e coloristas tradicionais. Na Serigrafia o estoque de pigmentos gira em torno de 13 cores.

A reprodução de Cores Spot (Cores não constantes do CMYK)

Impressoras com menos de 7 cabeças de impressão não reproduzem cores complexas, spot e escuras com exatidão. Indiferente de custo, impressoras CMYK mais simples conseguem reproduzir cerca de 70% das cores dos catálogos de referência do mercado, principalmente na impressão de corantes Reativos. Corantes de sublimação, Ácidos e Pigmentos, dentro de seus espaços, reproduzem cores com mais facilidade.

Idade das cabeças de impressão

O envelhecimento das cabeças de impressão inutiliza progressivamente as configurações e perfis de cores. 

Topografia, peso e composição dos tecidos

O conjunto pesa mais na qualidade da impressão DTF e DTG do que na serigráfica têxtil. Pré tratamentos, tintas, equipamentos e programação de passadas de impressão bem adaptados à engenharia das cabeças de impressão e perfis de cores melhoram o controle desta limitação. A rigor, para cada grupo restrito de tecido é necessário ajustar um perfil de cores escolhido entre 2 a 4 passadas de impressão.

Ganho de ponto na impressão de corantes

Composições de viscose com elastano, algodão e outras fibras naturais principalmente tecidas em malhas, sofrem com alto ganho de ponto (dot gain = borrão de contornos e alastramento de pontos impressos para além de seus limites). Este é o principal problema que o pré tratamento deve resolver. Na serigrafia têxtil rotativa o Ganho de Ponto e a Perda de Ponto (Loss dot - falta de pontos por entupimento ou crise de relacionamento do ponto impresso com a superfície dos tecidos) são muito frequentes e de maior proporção.

Administração da impressão digital  

No mundo digital as práticas organizacionais, 5S e outros recursos relacionados ao ambiente de trabalho devem primar pela perfeição. Traduzir as imagens e seus parâmetros de resolução, definição e cor para comandos de impressão é a parte mais difícil da estamparia digital. Esta tarefa cabe aos desenhistas técnicos e operadores do sistema.

Na Serigrafia o acesso mais aberto e a proximidade dos pontos de controle do processo, facilitam o controle geral, apesar de agregar mais tempo e ações operacionais.

Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar